Sobrepeso e obesidade no Brasil já atingem mais da metade da população

Veja como mudar essa realidade e ganhar qualidade de vida

Alimentação ruim e sedentarismo têm agravado a lista de doenças crônicas no país. Porém, a mudança de hábitos pode ajudar a reverter este quadro.

O país vive uma situação alarmante: 52,5% da população adulta está acima do peso e, dessa parcela, 17,9% estão obesos. A pesquisa Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico) divulgada no último ano pelo Ministério da Saúde apontou fatores que podem acarretar no surgimento de doenças crônicas e quais medidas podem ser tomadas para minimizar o problema. Dentre eles, o peso dos brasileiros é um dos pontos mais preocupantes pois está diretamente ligado ao surgimento de doenças como hipertensão, diabetes, câncer e doenças cardiovasculares – principais causas de óbito no país.

A pesquisa constatou ao longo de sua duração (2006-2014) que a taxa de pessoas acima do peso cresceu quase 10%. A preocupação com este índice deve-se, sobretudo, ao impacto que uma população obesa traz à saúde pública. Os números também apontaram o perfil do sobrepeso: os homens são os que mais sofrem com o problema, a faixa etária mais atingida está entre 35 e 64 anos e quanto menor a escolaridade, maior o índice.

O aumento do peso dos brasileiros, assim como observado em todo o mundo, está relacionado principalmente aos hábitos da vida moderna: má alimentação, sedentarismo e falta de cuidados com a saúde. Obviamente outros fatores como a genética e problemas de saúde podem facilitar o quadro, porém boa parte dos acompanhados sequer estavam cientes do seu estado nutricional ou de saúde. Muitos participantes deste tipo de pesquisa não têm conhecimento do seu peso, dos seus os níveis de colesterol e, ocasionalmente, descobrem sofrer de diabetes.

Mudar hábitos e adotar uma nova rotina é o caminho para evitar uma perspectiva fatídica: de acordo o Ministério da Saúde, se continuarmos nessa marcha, seremos o país mais obeso do mundo em 15 anos. E essa mudança deve começar desde cedo: “Quando se trata de alimentação adequada é muito mais fácil educar do que reeducar. Ensinar bons hábitos alimentares desde a infância evita diversos problemas decorrentes de problemas como a obesidade.” – alerta a Nutricionista Marcela Herculani da Nova Nutrii.

Segundo o IBGE, uma em cada três crianças entre 5 e 9 anos está acima do peso ideal. Lidar com este problema desde cedo é fundamental, cerca de 80% das crianças que permanecem com sobrepeso na adolescência, mantêm essa condição na vida adulta – justificando o possível “boom” de adultos com problemas decorrentes da obesidade num futuro próximo. O resultado não se restringe a problemas de saúde como hipertensão e diabetes: lidar com problemas psicológicos e emocionais também são um desafio para essas crianças. Apesar de boa parte da população estar acima do peso, o bullying e outros problemas de convívio social são fatores que podem levar a criança a se isolar e ficar depressiva. A situ ação ainda é agravada pelo sedentarismo dessa geração criada na frente da TV, smartphones, tablets e vídeo games.

Jornal do Brasil

Log in